Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GALIZA UNIDA PORTUGAL



Sábado, 02.11.13

O PERIGO PORTUGUÊS DA GALIZA (distribuídas 500 folhas às 5h30-7h10 da quarta-feira, 2 de outubro de 2013 na porta da Bazan rua Taxonera)


 
O perigo para a Espanha UNA, GRANDE E LIVRE, durante séculos, veu da existência de Portugal, a Galiza sul INDEPENDENTE, veu da Independência de Portugal. E se assim foi durante séculos, é-o também no presente e será também no futuro. Isso, Portugal, torna à Galiza e a sua luta de libertação nacional e social, como o primeiro e mais lacerante perigo para a existência da UNIDADE da Espanha, da sua monarquia e sobretudo do seu MERCADO.

Afirmamos esta VERDADE contra a falsa CATEGORIZAÇÃO, produto do miserável, ignorante e insolidário chovinismo de nação avassalada, que estão a fazer bascos e catalães, sempre em superioridade, na sua luta de libertação nacional, SOBRE A GALIZA e o povo galego numa sorte de RACISMO e inferiorização assumida por muito do melhor que temos em primeira linha de COMBATE pela nossa liberdade nacional e social.

Agora, Otegui «descobre» que os bascos têm muitas lições a aprender da Catalunha; da Galiza não manifesta ter nada a aprender embora nós já tenhamos reiteradamente protestado contra a dirigência política e sindical galega e não só pela sua CRIMINOSA negativa a CRIAR a Assembleia Nacional da Galiza mesmo muito antes de que fosse criada a Assemblea Nacional Catalana, a UNIÃO DO POVO CATALÃO, que «por arte de magia» foi capaz de mobilizar não menos de 1,6 milhões de pessoas; e reparem na «magia» das palavras: uma outra ASSEMBLEIA, desta feita de docentes, foi capaz de mobilizar ESPANTOSAMENTE uma outra parte da UNIÃO DO POVO CATALÃO em Maiorca. E levamos anos e anos e anos repetindo o mesmo contra os piores cegos que não querem ver que na Galiza desde que criamos a Plataforma Cidadã «Nunca Mais» eramos os melhor posicionados para criar a Assembleia Nacional da Galiza, a UNIÃO DO POVO GALEGO, para ultrapassar a mobilização de 300.000 pessoas de 1 de dezembro de 2002, vão lá onze perdidos anos pela RADICAL negativa da dirigência política e sindical galega, nomeadamente o BNG, sempre prontos para o pacto com o inimigo, o fascismo que aninha no PP, e sempre a sabotar a criação da Assembleia Nacional da Galiza, a UNIÃO DO POVO GALEGO, e a sua MACIÇA MOBILIZAÇÃO, a sua MOBILIZAÇÃO NACIONAL.

Mobilização nacional CONTRA OS INCÊNDIOS que sabotaram IMPEDINDO-A de facto. Desde o 30 de agosto em que alguns apeláramos para em 22 de setembro levantar à Galiza contra a política incendiária e os incendiários encabeçados pelo Feijó, a dirigência do BNG encabeçada por Vence SABOTOU esta hipótese cometendo o CRIME de elevar ao Olimpo dos Deuses Celtas o calcinado Monte Pindo sobre o arrasamento INCENDIÁRIO, a paisagem luar, tornar à Idade de Pedra, à Galiza, matando, portanto, a mobilização nacional da Galiza com a mobilização local de Carnota-Monte Pindo. Nós apelamos para todas aquelas pessoas e organizações que assistiram aos trabalhos feitos em 30 de agosto, reuniões de 11 de Setembro (local CIG-Compostela), 13 de Setembro (local SLG-Compostela) e trabalhos e reuniões posteriores até à manifestação de 29 de setembro para fazerem analise do acontecido e difundí-lo na manifestação prevista para 6 de outubro em Compostela que nós pretendemos vãmente maior do que as catalãs.

E passando da defesa da Galiza contra a GUERRA INCENDIÁRIA para a defesa da Galiza contra a GUERRA IDEOLÓGICA à que nos submetem com INFERIORIZAÇÃO assumida na primeira linha do nosso COMBATE, temos de dizer COM FIRMEZA que isso acontece pelo abandono da questão fulcral, da questão ESTRATÉGICA: A UNIDADE NACIONAL DA GALIZA E PORTUGAL.

Não podemos dizer que a Galiza NÃO é questão de Estado e a Catalunha e Euskal Herria SIM porque estamos a falsificar muita coisa e a perder muita mais; perdemos a nossa auto-estima, a nossa capacidade de combate, a confiança em nós próprios e no proletariado e no povo galego, perdemos o combate UNIDO da Galiza e Portugal, perdemos a estima e a confiança do proletariado e do povo português mesmo das suas instituições... E a perda é ainda muito maior porque estamos a perder a força que nos dá a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, COMUNIDADE e língua portuguesa que não têm bascos nem catalães.

Força ESTRATÉGICA demonstrada porque a Galiza e o Timor Leste foram os únicos países que receberam da CPLP o reconhecimento e o trato que VISAVA para a INDEPENDÊNCIA. Conseguida no caso do Timor Leste e ABAFADA por Aznar-Alonso Dezcallar-Fraga para a Galiza no próprio seio da CPLP em 1997 (18 de Julho). Força ESTRATÉGICA demonstrada em 1980 com as Normas Ortográficas da Comissão de Linguística da Junta da Galiza presidida por Carvalho Calero, Capitão-Mor do PORTUGUÊS na Galiza nomeado pelo Mariscal da Galiza livre, Portugal, Ernesto Guerra da Cal, ABAFADA em 23 de fevereiro de 1981 junto com a força PROLETÁRIA ESTRATÉGICA DE ASTANO: revejam e analisem a sequência temporal Estatuto dos 16-Estatuto dos 6-referendo-golpe-eleições autonómicas: abafamento do permanente perigo português da Galiza e até hoje.

Força ESTRATÉGICA que o inimigo, o falangismo espanhol, DIMENSIONA com a GUERRA DE DESPRESTÍGIO a que nos submete com a colaboração necessária do feminismo de canhoneira e outras gamas de ditos feminismo, independentismo, nacionalismo, parlamentarismo e sindicalismo: passamos na sequência das três últimas décadas de «violadores» a «maltratadores» e de «maltratadores» para «pederastas», tudo por defender a proletária UNIDADE NACIONAL DA GALIZA E PORTUGAL, O SOCIALISMO E A INSURREIÇÃO.
Em Ferrol, quarta-feira, 2 de outubro de 2013

COMISSÃO PARA A REUNIFICAÇÃO NACIONAL DA GALIZA E PORTUGAL

Autoria e outros dados (tags, etc)

por galizaunidaportugal às 13:15



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930