Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GALIZA UNIDA PORTUGAL



Sexta-feira, 17.11.06

ESCRITO REGISTADO EM SEXTA-FEIRA, 17 DE NOVEMBRO DE 2006


Palâcio da Moncloa s/n
MADRID
PRESIDENTE DO GOVERNO DO REINO DA ESPANHA
EX.MO SENHOR JOSÉ LUIS RODRÍGUEZ ZAPATERO
MANUEL LOPES ZEBRAL, DESEMPREGADO, de nacionalidade galega galego-portuguesa e/ou portuguesa com passaporte espanhol da UE nº 32.594.383-W, morada em FERROL, CP 15.406, rua Henrique Granados nº 3, 2º Esq, presidente de GALIZA SOLIDÁRIA, registada no MI com o nº 163.761, representante da COMISSÃO PARA A REUNIFICAÇÃO NACIONAL DA GALIZA E PORTUGAL dirijo-me a você para
DIZER:
A PAZ na Palestina não é o que você e o Sr. Chirac acordaram em Girona na XIX Cimeira Hispano-Francesa. A PAZ NA PALESTINA é o DESARMAMENTO do Estado sionista e a sua DESAPARIÇÃO. Isso sim é determinante para a PAZ na Palestina; e determinante para a PAZ na área é a RETIRADA IMEDIATA E INCONDICIONAL das forças norte-americanas e não apenas do Iraque; e o DESARMAMENTO DOS EUA nomeadamente o NUCLEAR é DETERMINANTE para a PAZ mundial também como o julgamento e condena dos dos Açores, Bush, Blair, Aznar e Durão Barroso.
Também é DETERMINANTE para a PAZ em Euskal Herria, deixar livre, IMEDIATA E INCONDICIONALMENTE, o Sr. De Juana Chãos para além de aplicar o artigo 7.3 da Constituição portuguesa no dito território dividido entre o Reino da Espanha e a República francesa.
Determinante para a PAZ na península da Coreia é a retirada das tropas e a espesa concentração de armamento nuclear norte-americano na Coreia do Sul; isso acabaria com uma guerra iniciada há mais de meio século e que todavia continua sob diferentes formas; uma delas DRASTICAMENTE daninha para quem subscreve e a sua gente é a política de GUERRA dos EUA de concentrar a construção naval mundial na Coreia do Sul, saturando-a, para enfraquecer e DERROTAR os comunistas da Coreia do Norte; determinante para a PAZ na dita península é NÃO apoiar essa política dos EUA, como você, o seu governo e a UE estão a fazer nomeadamente a Neelie Kroes.
PAZ é reconhecer o genocídio turco actual contra a nação qurda e o passado contra os arménios para além do cometido na metade oriental da Ilha de Chipre. PAZ é aplicar ao delinquente estado turco a legalidade universal para julgar e condenar os seus crimes além de implementar o artigo 7.3 da Constituição portuguesa a qurdos e chipriotas.
PAZ é a retirada IMEDIATA E INCONDICIONAL das tropas espanholas do AFEGANISTÃO nomeadamente a BRILAT, para os galegos deixar de ser carne de canhão das seculares guerras imperialistas da monarquia espanhola. PAZ é deixar de apoiar o velho projecto hitleriano de ocupar um país da Ássia Central, Afeganistão, para DOMINAR O MUNDO, projecto assumido e desenvolvido pelos EUA E A NATO. PAZ é a saida do Reino da Espanha da NATO e a dissolução da dita aliança militar.
Determinante para a PAZ é reconhecer que a Galiza é uma nação como fora reconhecido pela SOCIEDADE DAS NAÇÕES antes de as hordas nazistas hitlerianas acabar com o nosso projecto democrático de República Federativa da Galiza e Portugal.
PAZ é, no seio da UE, em concordância com a legalidade universal e o amparo e a tutela da ONU, estabelecer negociações para o Reino da Espanha e a República portuguesa facilitar o exercício democrático da população galega do seu direito de Livre Determinação, aliás reconhecido no artigo 7.3 da Constituição portuguesa, para DECIDIR a UNIÃO DA GALIZA E PORTUGAL na República Federativa da Galiza e Portugal.
PAZ não é a obsessa e permanente política do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, Sr. Moratinos, e do seu governo de, na sua linguagem, «comer-lhe a influência» a Portugal em África e não apenas, cujo objectivo, dentre outros, é IMPEDIR o inevitável ingresso da Galiza na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa; uma mostra do fiasco dessa política foi o rechaço parlamentar e não apenas à apressada visita do Sr. Obiang, pressa inspirada no recente ingresso da Guiné Equatorial na CPLP; a nossa sugestão para a próxima visita é a República da Ilha Maurício.
PAZ não é a obsessa e permanente política de manobras aero-navais contra o TERRORISMO em Ferrol; com o custo das manobras teriamos emprego muitas pessoas. PAZ NÃO É DESEMPREGO. PAZ É DECRETAR ASTANO TORNAR À CONSTRUÇÃO NAVAL, o meu reingresso e o de todas as vítimas do DECRETO DE RECONVERSÃO 1241/84 dado por El-Rei Juan Carlo I e o presidente do governo Felipe González.
Para acabar, PAZ É DECRETAR o governo galego ter o 40,5 % das acções de FENOSA E ENDESA, sediadas em Compostela, como o Sr. Sócrates, primeiro ministro do governo português, fez relativamente à principal barragem de Moçambique, Cabora Bassa, quer dizer, tornar o 85 % das acções em poder de Portugal para o dito país, ficando Portugal com o que Moçambique tinha, o 15 %; notável exemplo a IMITAR porque segundo a psicanálise de Freud a existência de países pobres e países ricos, isso, é a GUERRA. Por tudo o qual
URJO:
Resolva a demanda interna e externa de PAZ, peninsular e mundial, conforme o acima referenciado
Em Ferrol, quinta-feira, 16 de Novembro de 2006
ASSDO: MANUEL LOPES ZEBRAL

Autoria e outros dados (tags, etc)

por galizaunidaportugal às 10:44

Sexta-feira, 17.11.06

UMA OUTRA MARÉ NEGRA COMO A DO «PRESTIGE» É POSSÍVEL (DISTRIBUIDAS 1.000 COMPOSTELA-BAZAN)

Porque quer o governo espanhol quer o governo galego não consideraram uma PRIORIDADE as medidas PREVENTIVAS pertinentes contempladas na Resolução do Parlamento Europeu de 23 de Setembro de 2003 nomeadamente no relativo à retirada da navegação dos petroleiros mono-casco e a sua substituição por petroleiros de casco duplo construidos em ASTANO, sempre NEGADO E CENSURADO nas suas bocas.
Um outro «Prestige» é possível porque os dirigentes da Plataforma Cidadã Nunca Mais (depois de quatro anos, para quando eleições? nós postulamo-nos...) não consideraram uma PRIORIDADE a acção permanente em favor da UNIÃO E MOBILIZAÇÃO da cidadania para constituir uma Assembleia Nacional da Galiza que integre pessoas, entidades e instituições, SEM EXCLUIR NINGUÉM, para lutar contra o ESPÓLIO DA GALIZA, contra os INCENDIÁRIOS DA GALIZA, contra os do MASSACRE DA GALIZA, contra os que impedem a GALIZA LIVRE: A REPÚBLICA FEDERATIVA DA GALIZA E PORTUGAL, contra os conspiradores, sabotadores e golpistas da monarquia espanhola representados pelo PP, em guerra aberta, ao estilo mais genuinamente nazista (SÓS CONTRA O LUME), contra a população da Galiza e a sua inevitável UNIÃO com Portugal; uma Assembleia Nacional da Galiza para acabar com o campo de concentração nazista gerido por espanhóis que é a Galiza.
Uma Assembleia Nacional da Galiza com mentalidade de ESTADISTA que contemple o interesse e a necessidade ESTRATÉGICA da Galiza, que se comporte como um ESTADO proletário cuja prioridade seja o interesse ESTRATÉGICO do proletariado galego; uma Assembleia Nacional da Galiza a agir em todas as áreas onde o pacato governo galego e os partidos que o integram não são capazes ou não querem: a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a União Europeia, a Organização da Nações Unidas, etc.
Ganhar uma guerra, a dos incendiários, a dos espoliadores, a dos massacradores, a dos poluidores, a dos nazistas nos média (TVG), a guerra climatológica (não há câmbio climático, há a guerra climatológica SECRETA do Pentágono contra a Humanidade consistente em manipular através da NASA determinados fenómenos climatológicos PARA PRODUZIR OS MAIORES DANOS NO TERRITÓRIO DO INIMIGO, verdade mais velha que a guerra do Viet Nam sempre ocultada com MENTIRAS ou verdades parciais), ganhar uma guerra precisa de EXÉRCITO, e proletário, precisa COMBATER, precisa ATACAR o inimigo para o VENCER.
E a dimensão da guerra que se livra contra a Galiza deve ser referenciada na sanha nazista da Neelie Kroes, incondicionalmente em favor do gigante alemão E.on que o celebra deixando sem electricidade a Europa e a submissão de Joan Clos, UNÁNIMES no espólio da energia eléctrica da Galiza produzida por ENDESA; ou na RIGOROSA PROIBIÇÃO da construção naval em ASTANO da dita Comissária da Concorrência, incondicionalmente alinhada com a política de guerra dos EUA o qual impõe a concentração da construção naval MUNDIAL na Coreia do Sul, saturando-a, para derrotar os comunistas da Coreia do Norte.
A dimensão UNIVERSAL da guerra que se livra contra a Galiza, na nossa opinião, referencia-se no furacão Gordon (e as chuvas que lhe seguiram) que chegou às nossas costas da mão de Aznar-Griffin-Bush. E nós REITERAMOS o que há 26 anos o científico soviético Yu Yuriev prognosticou, A UTILIZAÇÃO MILITAR SECRETA com sucesso de TODOS os fenómenos induzidos na Terra pela radiação e tormentas SOLARES. E nós afirmamos isto contra Al Gore: A PAZ E O DESARMAMENTO acabariam a guerra climatológica e portanto o alegado câmbio climático e os danos [in]discriminados de VIDAS E BENS da Humanidade e do próprio planeta, para além doutras coitas...
Contudo, os ataques UNÁNIMES de há uma semana da Comissão Europeia-governo espanhol contra a Galiza (E.on e outras ervas contra a Europa) são a resposta IMEDIATA e assanhada à ousadia de COLOCAR A QUESTÃO DA GALIZA LIVRE: República Federativa da Galiza e Portugal em Estrasburgo, no debate da Resolução do Parlamento Europeu de 25 de Outubro de 2006 relativa à «Paz na Espanha» que ultrapassou, com muito, Euskal Herria: o deputado irlandês Brian Crowley «encorajou as principais forças democráticas da Espanha para UNIDAS encontrar uma SOLUÇÃO para TODOS os POVOS da Espanha» num contexto, na nossa opinião, de contundente DERROTA moral e psicológica do PP espanhol e aliados no PP europeu que ZP e companha tentam reparar e minimizar na defesa dos seus bastardos interesses e dupla moral como estamos a ver com a condena de De Juana Chãos, arguir o presidente do governo basco, etc., num contexto de VITÓRIA D@S POBRES DO MUNDO determinado pela contundente DERROTA electoral do ABSOLUTISMO das bandas Bushanas graças à mobilização do operariado e a cidadania dos EUA, à par da VITÓRIA electoral sandinista na Nicarágua: É A NOSSA, têmo-la que aproveitar, a começar por julgar e condenar os dos Açores, Bush, Blair, Aznar e Durão Barroso e o seu cão sionista.
A GALIZA INCENDIADA, A GALIZA ESPOLIADA, A GALIZA MASSACRADA, também entraram da nossa mão no Parlamento Europeu, apenas nós, com reacção imediata, que nos privou da acreditação, por qualificar a Comissão Europeia e Neelie Kroes de suspeitos do mesmo nazismo que o julgado e condenado pelo Tribunal de Nuremberga, o qual indicia o grau de verdade e por onde a Galiza e não só tem que marcar as suas ESTRATÉGIAS DE COMBATE se, deveras, «isto é uma GUERRA e imó-la ganhar...» como afirmou Anjo Quintana.
Um outro «Prestige» é possível porque não cultivamos a UNIÃO com Portugal de onde nos chegou a VERDADE E A SOLIDARIEDADE; um Portugal, uma República portuguesa sempre na melhor disposição para a Galiza, livres do racismo contra nós que orna o resto dos concorrentes, sempre tentando a fantasia de provocar o confronto entre a Galiza e Portugal. LAVRAR ESSA UNIDADE na República Federativa da Galiza e Portugal é imediato, possível, fácil, beneficioso, o mesmo que a INSURREIÇÃO, como levam meses demonstrando em OAXACA; no nosso contexto galego-português temos a vantagem de sermos amparados pela lei, o artigo 7.3 da Constituição portuguesa reconhece contra toda forma de opressão, o direito de INSURREIÇÃO.
(
http://galizaunidaportugal.blogspot.com). Na Galiza, Domingo, 12 de Novembro de 2006
COMISSÃO PARA A REUNIFICAÇÃO NACIONAL DA GALIZA E PORTUGAL

Autoria e outros dados (tags, etc)

por galizaunidaportugal às 10:39


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930